Criatividade à solta

Por Emi Sasagawa - 12/04/2012

Pamponet criou a ItsNOON, rede que reconhece pessoas habilidade de se virar com o tem.

Criatividade à solta
“Aqui é muito menos da onde você vem e muito mais sobre para onde você está indo”

O crescimento da internet no Brasil e no mundo tem possibilitado o surgimento de novos modelos de mercado. Hoje, é possível terceirizar projetos para pessoas de todas as partes do mundo. Foi exatamente acreditando no potencial econômico desse meio de comunicação que o baiano Reinaldo Pamponet decidiu apostar nas redes sociais e na economia criativa, quando o termo ainda era pouco conhecido.

 

Nascido em Salvador, Pamponet foi para Inglaterra com 22 anos fazer uma pós-graduação em Administração. Durante oito anos seguiu uma carreira executiva como qualquer outra, trabalhando para o Citibank e a Microsoft. Mas isso mudou quando completou 30 anos e optou por começar uma nova trajetória profissional. Sim, Reinaldo faz parte do seleto grupo de pensadores, e mais do que isso, de realizadores que resolveram arregaçar as mangas e experimentar novos modelos econômicos, que não visam apenas trocar força de trabalho por dinheiro, mas englobam outras moedas de troca.

“Sair [da Microsoft] foi uma decisão pessoal”, diz ele. “Sempre gostei de empreender e inovar e queria ficar mais perto do Brasil.” Foi assim que, em 2002, Pamponet fundou a Eletrocooperativa, organização que usa música, tecnologia e arte digital para ensinar jovens da periferia como gerar renda à partir de sua própria criatividade.

Hoje, ele dedica-se a ItsNOON, um empreendimento inovador, criado há dois anos, que quer promover novos modelos de educação e trabalho aproveitando a era de conectividade global. “É uma nova lógica de negócio que usa o formato de redes sociais para conectar as pessoas.”, diz.

Essencialmente a ItNoon é um marketplace de economia criativa, aonde empresas podem postar “chamadas criativas” para seus projetos e os usuários são convidados a responder essas chamadas usando vídeos, textos, músicas, fotos e etc. As melhores respostas são remuneradas pelas empresas. Ou seja, com a ItsNOON é possível ganhar dinheiro produzindo de casa e expressando a sua arte.

Além de gerar oportunidades de trabalho, a rede também é um espaço aonde “criadores” de várias partes do Brasil podem interagir. “Os usuários se conectam não só com seus amigos, mas também com pessoas que têm interesses similares.” Atualmente, são mais de 10 mil pessoas conectadas pela rede, criando e inovando diariamente.

Esse modelo econômico é inovador por fugir do modelo industrial tradicional, sendo mais distribuído e decentralizado. “Aqui não importa se você é magro, gordo, negro ou branco. O importante é o que você tem a dizer; o que você tem a propor. É muito menos da onde você vem e muito mais sobre onde você está indo.”

O melhor exemplo disso é a história de um grupo de crianças da remota Vila Amazonas, que decidiram responder a chamada criativa: “o que é música para você?”. Juntas elas compuseram uma série de músicas a partir do batuque de latas de tinta a viajaram três horas de barco até a vila mais próxima com acesso à internet só para inscrever a criação no portal ItsNoon. Mesmo sem um entendimento profundo de música ou de gravação de áudio, o grupo foi selecionado pela sua criatividade.

Hoje, o ItsNOON possibilita que pessoas de todas as partes do Brasil possam participar de competições criativas. Os usuários são premiados pela sua criatividade e pela sua habilidade de se virar com o que tem (conceito intitulado de Sevirologia pelo próprio). No futuro, Pamponet quer continuar investindo no crescimento dessa plataforma, “o importante é que mais e mais empresas possam usufruir desse espaço de interação”, complementa.

Vivendo em uma sociedade cada vez mais conectada à internet, podemos dizer que as oportunidades que surgem no meio virtual são inúmeras e que diante disso, os objetivos de Pamponet fazem ainda mais sentido.

Comente via asboasnovas.com
Comente via Facebook